Educação

Educação e o ESG – Environmental, Social and Governance

Educação e o ESG – Environmental, Social and Governance

Ainda não tão conhecida para alguns, mas já bastante comentada por outros, a sigla ESG Environmental, Social and Governance, ou seja, Ambiental, Social e Governança (ASG, em português), ganhou destaque há pouco tempo, apesar de ser um conceito antigo.

Aplicada no universo dos negócios, há alguns anos, apontada pelo mercado como uma das principais tendências para 2021. Surgiu em um relatório de 2005 intitulado Who Cares Wins (“Ganha quem se importa”, em tradução livre), resultado de uma iniciativa liderada pela Organização das Nações Unidas.

Cada vez mais, os países discutem a importância de preservar o ambiente para mantermos boas condições de vida e produção no futuro. A cada ano, mais pesquisas são feitas e mais especialistas chamam a atenção para o tema.

Essas três palavras mostram quanto uma empresa está comprometida em ter uma operação mais sustentável em termos ambientais, sociais e de governança. Tal comprometimento deve ser aprendido e empregado nas organizações, as quais pretendem manter competitividade e alinhamento com seu público.

É importante que se saiba o significado de cada letra para melhor entendimento. A letra E refere-se às práticas de uma empresa em relação à conservação do meio-ambiente e sua atuação sobre temas como: aquecimento global e emissão de carbono; poluição do ar e da água; biodiversidade; desmatamento; eficiência energética; gestão de resíduos e escassez de água. A letra S refere-se à relação da empresa com pessoas que fazem parte do seu universo: satisfação dos clientes; proteção de dados e privacidade; diversidade da equipe; engajamento dos funcionários; relacionamento com a comunidade; respeito aos direitos humanos e às leis trabalhistas. A letra G refere-se à administração de uma empresa: composição do conselho; estrutura do comitê de auditoria; conduta corporativa; remuneração dos executivos; relação com entidades do governo e políticos e existência de um canal de denúncias.

Assim como no mundo corporativo, também nas escolas esse assunto (sustentabilidade) se tornou indispensável devido ao contexto das relações entre homem e meio ambiente. Lembrando de que as crianças e os jovens, de hoje, serão os futuros tomadores de decisão do mundo, independente da profissão escolhida. Cabe à escola em sua totalidade, desenvolver um conjunto de práticas e ensinamentos focados na questão do desenvolvimento sustentável do planeta, com base no conceito ESG.

As empresas/escolas precisam se adequar aos elementos ambiental, social e governança. Não apenas para cumprirem a lei, mas para fortalecerem suas imagens na sociedade, caso não se importem com tais critérios, correm o risco de perder mercado.

Portanto, torna-se necessário contribuir para um mundo mais justo e sustentável e frear o esgotamento de recursos do planeta, além de priorizar as instituições que estão mais preparadas para enfrentar os desafios futuros. Ou seja, devemos valorizar empresas/escolas socialmente e ambientalmente responsáveis capazes de usar os recursos naturais de forma inteligente.

SAVE THE PLANET!

Texto por: Zélia Miceli, Gestora dos Colégios Santa Amália e Gerente Executiva do Eixo Educação na Liga Solidária.

Artigos Relacionados